17 de mar de 2011

COISA DE BICHOS

Caio Martins
Para Stela e Alceu Valença.













(img: cvm - kelly/galaxia - 1999)

Estendeu-se
num gesto sublinhado
o véu de teus cabelos sobre meus olhos.
Diluí-me nas sombras de teus olhos
sem ansiedade, apenas
vacilei entre a dúvida
e a ironia.

O brilho de um rubi em tua orelha
revelou-me a ardentia de teu rosto.
Percorri teu rosto
vacilando entre o alumbramento
e a fria perfeição de teus traços.

O som de tua voz metálica
como o sustenido de um harmônio
fixou-me em tua boca.
Vacilei entre beijos
ou mordidas.

E assim foi lentamente
com teus braços
tuas mãos
teus seios
tuas pernas
teus pés
teu ventre
até ter-te incontida.

Até sucumbirem tramas
regras, usos e costumes
tua perspicácia
meus notáveis argumentos
diluídos febrilmente
na sofreguidão de momento
da umidade convulsa do sexo
em delírio e desvario.

Coisa de bicho-gente
no cio....


(07/03/1986. Peña Los Hermanos - Pensão da Zulmira)
Como dois animais - Alceu Valença - 1997



13 comentários:

  1. Todo exemplo de amor, vem dos animais.
    Quiséramos nós, seres humanos, sabermos os segredos do amor que os envolve. Eles estão anos-luz à nossa frente!

    Belo poema e vídeo!
    Abraços
    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Bicho gente no cio faz coisa que até satanás se espanta!
    Bravo, Caio!

    Abraço
    Jorge

    ResponderExcluir
  3. O homem só se permite a completude, quando se submete alcançar o nível dos animais.
    E como dois animais...
    não há pecado, competição,traição...
    há apenas os dois, no cio!

    ResponderExcluir
  4. Olá Caio,

    Recebi um email seu e adorei o convit3e a seu blog. Já estou te seguindo. Prometo voltar com mais calma. Adorei este primeiro poema. Deixo o convite para visitar http://emaranhadorufiniano.blogspot.com
    Seus comentários serão muito bem vindos.

    Abrçs!!!

    ResponderExcluir
  5. O poema parece conter um outro, escondido num jogo de palavras muito interessante...a ambiguidade se revela se prestarmos atenção em algumas expressões, como por exemplo: a ardentia do rosto versus a fria perfeição dos traços, o som metálico da voz que se contrapõe ao delírio e desvario. Assim é o bicho-gente...
    Parabéns, Caio.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  6. Olá!!Recebi um email seu no meu msn e cá estou. Gostei muito do poema, é bem estimulante, e acho Alceu Valença incrível!! Quando puder, dê uma passadinha lá em meu blog, e deixe suas impressões, combinado? http://www.qbonecadoll.blogspot.com. Até lá!!

    ResponderExcluir
  7. Mirze, faço minhas as suas palavras. Fôssemos, os humanos, mais simples e menos prepotentes, seria tudo mais fácil. Inclusive nas relações pessoais.

    Grande Mestre Sader, é vero... E somos capazes de estranhar os louva-deus, que perdem a cabeça literalmente na hora "H".

    Rita, somos realmente seres muito complicados... Talvez, a única desarmonia na Natureza. E, por isso, não a respeitamos e queremos "domá-la". A resposta está nos noticiários e não é coisa boa, certamente.

    Rufino, temos uma riqueza imensa nos blogues literários, e se acreditamos no que fazemos, temos de divulgar dentre os melhores. Gostei do seu trabalho, e o felicito por ele.

    Márcia, é sempre uma honra, a sua consideração. Como sempre foi ao cerne. Há, de fato, duas leituras em contraponto. Mas, culminando o "efeito animal", nos reduzimos ao mais singelo e simples: bicho-gente...

    Daniela, tomei a liberdade de convidar blogueiros ligados à literatura, e que tenham email público. Como disse ao Rufino, temos de divulgar o que fazemos, e conhecer o que fazem. "Caixa de Letras" é, na verdade, uma bonita caixinha de surpresas, só desvendadas para quem as sabe ler.

    A todos, meu agradecimento pela visita e palavras, são muito gentis. Dão alento para seguirmos tentando melhorar, sempre.

    ResponderExcluir
  8. Tem gente que vive feito bicho, sendo livre e autêntico.

    Abraços,
    Paulo.

    ResponderExcluir
  9. Paulo, consideradas as impossibilidades "civilizatórias" (sem elas, não estaríamos conversando agora), essa é a tentativa. Rachando, fatiando o ser uno cartesianamente em compartimentos, o desastre é certo. Seja na ação cósmica, seja num simples momento sexual. Considere-se, também, que o preço de autenticidade e liberdade costuma ser bastante elevado. Contudo, vale a pena pagá-lo. Abraço, grato por sua visita.

    ResponderExcluir
  10. Coisas de Bichos, é assim mesmo,
    qual uma torrente,
    chega quente!

    Efigenia Coutinho

    ResponderExcluir
  11. Efigênia, grato pela visita. É como diz, de nada adianta reprimir ou liberar de vez. É preciso conviver harmoniosamente com ele!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Gosto muito das músicas do Alceu Valença. Geralmente me fazem sonhar, voar na imaginação...
    Abraços

    Sol

    ResponderExcluir
  13. Grande Alceu, Solange. Singelo e cristalino como uma gota d'água, tem a complexidade mágica do universo. Comove e convence. Parabéns pelo seu bom gosto, e volte sempre, a casa é sua.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores