19 de jul de 2011

Génesis

Caio Martins













(img: genesis 2011 - tela aramado)


Entre arrepios
de tua pele suada
ofegante, entre
suspiros, queixumes
lágrimas e grito
te desmanchas
comovendo o universo.

Entre tantos entretantos
e tua nudez safada
vou
comovido animal liberto
em disparada
por teus meandros e recantos.

Depois nos olhamos
compreensivos
contemplando o que sobrou
dos bisonhos
fêmea ancestral
e macho astuto
definitivamente
expulsos do rebanho...

9 comentários:

  1. Esperto

    Animal esperto
    sou um ser liberto
    e aberto...

    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  2. Que poema mais lindo, Caio! O sensual se mistura à magia de algumas imagens que surpreendem pela força que adquirem - comover o universo é uma delas... A nudez do corpo parece se transformar em nudez da alma. E fecha o poema como quem volta à origem de tudo...
    Parabéns e obrigada pela partilha!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  3. Muito BOM!

    Caio, não costumo comentar esse tipo de poema, mas o seu não é vulgar. Sublima o amor nas entrelinhas.

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. Meu caro Jorge,somos traquejados nas lides da vida. Dizem que o guará perde os pelos de velho, mas não perde as manhas. Não há o que ser prescrito, mas, escrito. Saúde, marujo!

    Márcia, vindo de quem considero extraordinária poetisa e escritora, suas palavras muito me honram. Como sempre você vai ao cerne do conteúdo: tudo é parte de tudo! E o amor (universal) vinculado nos gêneros à sensualidade (individual) poderosamente discreta, nos enleva, eleva e, sempre, tudo volta ao início para perfazer-se.
    Obrigado, minha querida amiga, pela gentileza, paciência e generosidade.

    Mirze, o risco de amar conscientemente é sermos expulsos do rebanho... Reduzir o amar exclusivamente a sexo é rota de colisão com anseios e necessidades maiores, por essencialmente humanas, e aprisiona. Idem, se repudiamos o animal que somos e nos resumimos à filosofadas estéreis e, de aí, melancólicas. Amor une e liberta, nos força a encarar a própria identidade (a volta aos inícios) e à do ser amado. Grato por suas sábias palavras e pelo alento.

    Moisés, há, sim, beleza sóbria nesse poema. Fico feliz que a promova, especialmente por sua lucidez e nível de exigência. Nos obriga a procurar sempre níveis mais elevados de qualidade. Volte sempre, a casa é sua.

    ResponderExcluir
  5. A poesia sempre me prende de tal maneira que
    criei um blogue mais vocacionado para
    inserir poesia http://sinfoniaesol.
    wordpress.com
    Teria muito gosto em inserir um trabalho
    seu, com os devidos créditos, se o autorizar.
    Basta deixar um comentário.
    Um abraço
    Irene

    ResponderExcluir
  6. Irene, é uma honra pela qual lhe agradeço. Fique à vontade, e lhe desejo muitos êxitos em seus trabalhos.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Apaixonante esse poema, sensual, delicado, forte.
    Apaixonantemente sentido, muito mais do que lido.
    Beijokas.

    ResponderExcluir
  8. Lua, a intensidade dos sentidos e do que é sentido é determinante no poema, ao par da consciência de o amor ser não apenas raro, mas, até proscrito nestes tempos de pragmatismo e consumo. Grato por suas palavras, volte sempre.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores