15 de out de 2011

O Erro...

Caio Martins.

Saiu calmo, como se diz, “na moral”, “na boa”. A mulher o espiava da janela do hotel, deu-lhe festivo adeuzinho. No carro (como sempre imundo por fora, mas máquina ajustada em pleno exercício das funções e veterano de outros adeuses) relaxou tratando de ser ágil naquele já então inferno de amebas histéricas submergidas em gases tóxicos, aço e asfalto. Os hormônios da fêmea ainda agiam em suas veias, glândulas, instintos. Pagara a prostituta não pelo serviço, mas, para poder ir-se deslingado, ou para que ela assim se fora. Na estrada parou num frege-moscas, engoliu um gole de cachaça, um sanduíche qualquer com guaraná, um café fervido, calibrou pneus no posto, encheu o tanque. E acelerou.

Recebera avisos, alarmes, insinuações e conselhos. Desnecessários... Sabia que não haveria retorno - a menos que se tornasse um traidor - e que o momento era aquele. Horas mais, teria de brincar de herói ou tornar-se mártir. Não fora para o que nascera. Naquele “treze de dezembro de 1968, vinte e quatro membros do alto escalão do governo militar se reuniram e editaram o Ato Institucional 5, o famigerado AI-5, que possibilitara o fechamento do Congresso Nacional e acabara com o direito de habeas corpus dos parlamentares, direito adquirido com a Constituição - já fajuta - de 1967”. Os anos de chumbo tomavam seu perfil mais ensandecido.

O discurso de um senador, Márcio Moreira Alves, clamando pela volta da democracia, fechara as portas à luta legal e aberta. Era o momento da clandestinidade, da ausência absoluta dos entes queridos, amigos, família; tempo das identidades falsas, da solidão por escolha segura, dos segredos e das entrelinhas. Da certeza que era o momento só do bilhete de ida, e da presença ineludível da morte. Quando se elege lutar contra uma tirania - invés de calar-se ou fugir - e levantar-se em armas, os caminhos da vida se estreitam, beira-se precipícios e, não havendo estrutura moral que sustente, raia-se à loucura. Não há lugar para erros.

Não era o caso. Não temia a morte, mas a dor; não temia o combate, mas a tortura. Não seria presa fácil, como tantos que, inermes, se lançaram contra a máquina de moer gente. Dizia que não se importava em partir desde que levasse alguns canalhas consigo. Acelerava... No coldre uma automática, pelos bolsos carregadores e, dominante, uma saudade infeliz e incômoda, angustiante e incisiva da moça de olhos claros, franzina e esbelta, cujo sorriso lhe derretia as couraças e o transformava, de guerreiro, em deslumbrado menino. Meses... meses... Já não doíam mais o tiro na barriga, outro na perna, mais um no braço. O que doía, era a ausência.

Num posto perto do destino, mandou lavar o carro, fez a barba no banheiro. Cabelos curtos, terno impecável, postura alfa, passou barreiras de desajambrados soldadinhos, deixou o carro no cafofo, ao chegar à cidade, e não resistiu. Assumindo cuidados extraordinários, rondando feito lobo, entrou no edifício. Tinha as chaves, conhecia as manhas da velha fechadura. Girou o trinco, entrou e sentiu o cheiro de coisas de mulher. Acendeu a luz, trancou a porta. Ela deveria estar dormindo, seminua naquele calorão de fim de ano. Ouviu inaudível ruído, como um estalo de cama, dirigiu-se ao quarto na ânsia de vê-la.

Nem se deu conta ao levar o tiro na cara.

(img: cvm - tiro - 2011)




8 comentários:

  1. Prezado Escritor Caio, O ERRO, é uma crônica intrigante, prende o leitos atento , do inicio ao fim, meus cumprimentos, ler você é um verdadeiro prazer cultural!
    Efigênia Coutinho

    ResponderExcluir
  2. Mas isso ficou bom demais, Caio!
    Muito bem escrito, motivo mais do que interessante e final inesperado. Sem falar nos pormenores rápidos: a cachaça, o sanduíche com guaraná, a barba no banheiro do posto, o carro sujo mas de impecável maquina...
    Parabéns.
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  3. Caio!

    EXCELENTE! Impossível ler sem se prender no texto. Um final explosivo, literalmente.

    Parabéns!

    Mirze

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela crônica, Caio, que não só leva a indagações sobre a época da ditadura militar, mas nos faz pensar na realidade de hoje, onde vivemos outros tipos de ditadura e tirania - estética e ética.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  5. Efigênia, suas palavras muito me honram, considerando o apreço que você tem pela literatura e as artes. São incentivo para seguir tentando melhorar sempre. Grato!

    Jorge, essa saiu como aí está. Fatos misturados com imaginação, conceitos e "chaves" embutidos. Talvez, reflexo tardio da época, na qual o risco era certo e iminente. Abração!

    Mirze, obrigado pela sua gentileza. A técnica de "acelerar" e dar final patético ou trágico é quase reflexa, fruto do jornalismo.
    Que bom, que gostou! Beijos.

    Márcia, lutar contra uma ditadura não é difícil - e quanto mais dura, mais fácil. Difícil é lutar contra o que aí está, essa imposição cultural "ampla, geral e irrestrita" calcada na imbecilidade e estupidez humanas... De certa forma ganhamos a batalha contra a primeira, e perdemos a guerra contra a segunda...
    Beijos, minha amiga.

    ResponderExcluir
  6. Uma expressão pra lá de araçatubense:
    Voooooooooti !

    Caio, muito obrigada pela visita lá no meu blog e também por comentar sobre o e-book lançado pela Cia dos blogueiros.

    www.ciadosblogueiros.blogspot.com

    Deixo aqui o endereço do blog da Cia. Haverá outros lançamentos: de crônica e de contos.

    Convido você e todos os seus visitantes a se filiarem à Cia dos blogueiros de Araçatuba.

    Muito obrigada

    Rita Lavoyer

    ResponderExcluir
  7. Nair, que bom, que gostou! De vez em quando acertamos, como no caso de "O Erro"... Volte sempre, a casa é sua!

    Rita O "voooti" é bem do jeitão da região da antiga Mogiana... Eita, saudade!
    Não me arrisco a dizer que me alistarei no CIA dos Blogueiros... ácrata por natureza, e avesso a tais compromissos, todavia farei o que for possível para divulgá-los. Grato por sua presença, é pessoa que muito respeito e admiro. Abração.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores