28 de fev de 2016

PAPO DE ARANHA

Caio Martins.

“Credo! Que merda estou fazendo aqui?” - desgrenhada, irritada e levemente cáustica, olhou ao redor. Ressonando, feliz feito vira-lata depois da cata no lixo, o sujeito dormia não o sono dos justos, porém, o dos machos satisfeitos. Então, entre envergonhada e incrédula, lembrou...
Não era de sentar-se de costas para portas ou janelas, o labrego. Sempre num canto, contra a parede. Vivido, sovado, escolado, já passara pelo laminador o suficiente para saber que o acaso não tem hora e nem lugar. Nunca se sabe de onde vem o tiro, então andava maquinado. Inda mais sendo radialista bocudo e irreverente. E, mais ainda, se agente federal causador de cana de máfias, quadrilhas e afins, até políticos da alta malandragem.
No dia, festa de início de ano no serviço, escolhera lugar estratégico como quem arma uma tocaia. A vira entrar - de púrpura sobre saltos inimagináveis - e ser objeto de atração dos olhares. Desejo na macharia, inveja na mulherada. A delegada ruiva tinha, além de inescrutáveis olhos azuis facinantes, um corpo fenomenal.
“- Que potranca!” - pensara, sorvendo misticamente um calvado capaz de mandar foguete à Lua. Depois um gole de vinho espanhol de rica cepa e um petisco horroroso capaz de matar um urubu. Tomara a decisão: esperaria, como que desatento, que viesse. Viera, para cumprimentá-lo.
Colega, era também sua ouvinte no programa de FM destinado às solitárias, no qual pediam melosas músicas românticas, mandavam mensagens, contavam estórias; coisas de antigamente hora em moda de novo. Olhara-a direto nos olhos, depois boca, seios, ventre, coxas, braços e novamente na pupila, e dissera - com sua voz grave, suave e acariciante como o ronco de jaguar no cio - apenas um “- Oi! Senta!”. Terminaram na vasta cama do apartamento pequeno dum último andar.
- Acorda, seu maluco! - a sacudida o fez abrir um olho, sorrir bestamente e dizer um clássico “- Bom dia, princesa!”. Fazendo-se ofendida, a mulher sequer o olhou, abraçada ao lençol azul. Mas, prosseguiu: - Nunca deveria estar aqui, seu capeta filho duma puta! Que raiva... Pior que sempre entro na sua lábia...
Espreguiçou-se lentamente, sorriu satisfeito e retrucou maciamente: - Eu te avisei, princesa... uma conversinha bem articulada na orelhinha, e a calcinha cai...
Defendeu-se bem da tempestade de tapas, levou aranhão e mordida, mas, não conseguiu impedi-la de jogar sua cueca listrada pela janela, ao som de “- Isso é o que cai, safado..." - e voltar para a cama.
(Img: Jakie - fev/2001)

Um comentário:

  1. Dureza! Mas é bem mais frequente acontecer do que imaginamos!
    Abraço, mestre Caio.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores