30 de nov de 2015

BRINQUEDOS

Caio Martins.
















(img: cvm - jaquie - 13/09/2001)

Não me queiras mal,
nem me queiras bem...

No teu abandono
quando, farta
dormitas em meu abraço
depois
de estripulias tantas
e travessuras inconfessáveis
esparramados
dentre travesseiros e lençóis
(a lua indo embora,
transida de susto)
inexplicável
só te quero porque te quero
assim singelo
nada mais...

3 comentários:

  1. Olha aqui, "só te quero porque te quero" e fim de papo. E com singela e nada mais, OK?!

    ResponderExcluir
  2. Lindo, lindíssimo poema! A singeleza não necessita de artifícios nem explicações...

    ResponderExcluir
  3. Grandioso Amigo Caio, desculpe-me pelo silencio durante esste longo tempo. Como sabes sou muito doente e muito pouco encontro paz para me tranquilizar e deixar de lado momentos satisfatórios de alegrias como fora o nosso sincero e agradavel convívio. Tenho escrito alguma coisa em meu blog, mas o desanmo não me leva a escrever mais. Há tempço que venho escrevendo um romance mas não tenho prazer em continuar. Foram cerca de nolve mil pçalavras mas se ele fosse acabado teria mais olu menols 13 mil. H á cerca de meses parei com ele, De vez em quando corrijo alguma coisa e acrescento mais assunto. Bem, amigo quero te desejar um grandioso e FEliz Ano Novo. São exatamente 20 horas e dentre de instante um n ovo ano surgirá para nossas vidas. Que Deus continue a iluminar sua vida e de seus familiares. Abraços, grandioso AMIGo.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores