6 de mai de 2014

MENINA TRISTE

Caio Martins














 


(img: nathalia - aquarela - P&B - 04/05/14)

Tens no teu olhar um desvanecimento
como se foras a névoa de outono
que lassa e tão perdida em abandono
dissesses, ao passar, de sofrimentos.
 

E segues só, dobrando tuas esquinas
enquanto ao derredor estrala a guerra
inclemente das ruas, que aterra
tantos sonhos perdidos de menina.

Quebrei-me desarvorado em tuas quinas
andarilho em vão, fugaz pó de terra 
que ao ter-te não percebeu os teus lamentos.


Perdidos no cansaço que extermina
tanto amor,  é quando então de rumo erra
tamanha paixão, teu cio e meu tormento.

scs - 04/05/14.


16 comentários:

  1. Sabe, Caio? Parece que abri um velho livro de poesias, e estou a admirar uma. Sim, talvez eu seja um reacionário nesta arte. Mas prefiro assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não cabe qualificar, Jorge. Aparentemente, talvez de fato, o conteúdo determina ou escolhe a forma pela qual melhor se expresse. Pode ser um arcaico soneto de versos mancos, uma crônica, romance, ou uma equação quântica. Sentir, dependerá da vivência. E esta, resiste ao Tempo.

      Excluir
  2. Sim, Caio. Há uma distância desse amor terno, mesmo que com paixão e cio que parece ter ficado naquele tempo ideal que você como poucos sabe qual. Hoje, a paixão se perdeu e o cio se vulgarizou. Mas, não pense que não senti o prazer de ler com calma esse seu belo poema. Homenagens.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato, Milton! A sublimação do cio se dá, oculta, na paixão e seus fracassos dolorosos... Amor é uma construção difícil, interminável, sempre surpreendente. Abração, meu amigo!

      Excluir
  3. Caio, o poema é belíssimo, intenso e pega na veia! Acho que é um dos mais tristes e belos que já li... Ele tocou aqui no fundo do coração!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Márcia. Fico feliz se gostou! É soneto imperfeito, todavia denso. Por mais que o revirasse não aceitou formas, ficou como quis. Beijos!

      Excluir
  4. Algumas tristezas nos imobilizam. Outras extraem de nos poesia e beleza. Foi assim que percebi seu belissimo poema.
    Meu abraco
    Jane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato, Jane Portella. Tudo gira ao redor da forma de ver o mundo e de como nela nos reconhecemos. As perdas do caminho não podem significar as pedras do caminho, que às vezes traduzimos com palavras. Abraços.

      Excluir
  5. Respostas
    1. Ôpa! Que bom, tê-la de novo por aqui! Tudo bem com você?
      Homens apaixonados são um desastre... mulheres também! Ambos ridículos... Mas, no auge dos hormônios e enzimas, é uma delícia! Bjs.

      Excluir
  6. Olá Caio, eu estava saudosa de ler você,
    e chego aqui encontro um magnifico SONETO,
    de sua autoria! Que belo presente para está tarde de inverno.
    Sendo o Soneto a obra prima dos grandes escritores,
    como você, abraços,
    Efigenia Coutinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato, minha amiga! Saiu meio quebradinho na forma, todavia. Mas, a questão fundamental está na sonoridade e conteúdo. Ainda aprenderei a lidar com isso! Abração!

      Excluir
  7. Grato pela visita, Márcia. Que bom, que gostou! Abçs.

    ResponderExcluir
  8. Adorei ler em teu blog. Lindo poema. Estou te seguindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato, Edith! Volte sempre. Abçs.

      Excluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores