26 de nov de 2013

Não olhes assim

Caio Martins
















(img: d. richards- tv - 2013 - tela)

Sei dos teus caprichos
marcas, cicatrizes e feitiços
paixão e ira em solstícios
além de qualquer previsão.

Sei de teus amores e sumiços
pendores e calores e odores
ódios e desejos e clamores
riscando o universo de giz.

Não inventei tua beleza
nem és assim por que eu quis
e se me perdi em teus nichos
não é o amor que se desfaz.

O tempo é que é curto e que surta
e encurta e furta a leveza, mas
não me olhes assim, feito bicho!

6 comentários:

  1. A mulher, seus mistérios e a visão acostumada do poeta com estas maravilhas e agruras!
    Salve!

    ResponderExcluir
  2. Grato por suas palavras, Jorge! A sabedoria que tanto queríamos ter, com o tempo, nesse campo só se reveste em dúvidas. O que parece não é, e o que é não parece... Mistérios!
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  3. Mais uma obra-prima em 'Os mistérios do amor'.
    Lindo, Caio.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Taís Luso! Talvez um dia um cientista maluco desvende os mistérios do amor, sua essência leve e contraditória e o reduza a mera equação trigonométrica. Até lá, seguirá na linha de frente da Poesia por estar ligado aos mais profundos mistérios da vida... Abraços!

      Excluir
  4. Que coisa mais linda, Caio! Tem uma melodia deliciosa e marcante, forte...

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato, Márcia! Quase saiu um soneto, forma na qual você é exímia. Na releitura mais atenta, constatei não ter como mexer com a intensidade das palavras; deixei como veio. Beijos.

      Excluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores