16 de mar de 2013

Musas

Caio Martins














(img. arte: cvm - elizabeth-2013)


Ah, poeta...
que cenáculo arbitrário escolhem
as Musas
para servir-te ao jantar.
Tens, cibernético e alhures
de escrevinhar a sangue
o mundo que te engole,
expele e reclama e recolhe
até que o tritures,
telúrico moinho inexistencial...

Ah, Musas!
De seus dias em frangalhos, ao poeta
perdoai-lhe
o azedume, a palavra amarga,
o verso troncho e ranzinza
o sentir de impertinência...
Bailareis, eu sei, no templo
espalhando suas cinzas...

Mas tu, Musa tardia, vestal 
irresponsável, fugidia
de meus amores vadios:
me salvas lépida dos festins
de tuas irmãs, eterno cio...

- Que coragem louca e vã...

Divagais, todas, docemente
selvagens, dentre os dentes
de minhas engrenagens...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores