27 de jan de 2011

ESPELHO

Caio Martins.















(img: womenstudio-112 - christian coigny)



Não! Não me ames, jamais! Te amas
em mim nua em semiluz, destelhos
de teu olhar, em teu corpo flamas
como fora eu só teu espelho.

Exerces sem pudor os teus enfeites
de vestal e vês, no vidro, teus silêncios
marcados por teus dentes em meu peito.

Não, não amas senão a irreverência
das doidices que invento tão a esmo
somente para refletir teus risos.

Mas se vens tão intangente, alheia
de teus brinquedos, jogos e artifícios
cedo, em abandono, aos teus caprichos
precários de mulher, ninfa, sereia...



15 de jan de 2011

DRÍADE

Caio Martins

Não viria? Não? Despedaçou o celular na parede. Chutou a porta, derrubou cadeiras, o gato Loki, assustado, escafedeu feito um capeta. Da estante, aquela fotografia em moldura acrílica - tão adorada - a espiá-lo impunemente voou com soberana bolacha, o sangue do talho na mão abriu caminho purpurando e puxou o freio: a hematofobia vinha das reminiscências de guerras, arquetípicas, eras de espadas e setas, lanças e óleo fervente e que tais. A bruxa Baba-Yaga diria que fora guerreiro feroz - dileto filho de Thor e neto de Odin - caído em desgraça pela paixão por mulher insólita por ele requestada ainda menina, cujos olhos azuis e riso de prazeres, formas e gestos inimagináveis sob a revoada da cabeleira clara aturdiam e ensandeciam os homens. Zonzo, tentou limpar o corte e o envolveu com um pano de prato. Não podia desmaiar. Maldita! Bendita! Filha da puta! Amor da sua vida... anjo... vadia... Foi ao vizinho, pálido e cambaleante, pedir-lhe que o levasse ao pronto-socorro.

Depois, mão costurada e atada, ignorou a baderna. Pegou a foto - incólume na moldura a prova de tapas - e ficou olhando, olhando e olhando, anestesiado. Não havia dor, nem houvera lesão séria. Na próxima usaria um martelo. Sorriu, por fim. Como não desejar instintivamente a beleza marcada por delicadeza e suavidade, não amar o riso leve, as idéias loucas, a eterna ciclotimia etérea, aquela timidez subjacente num piscar ousado, cruzar de pernas, entremostrar de seios, oscilar de cintura, semovente e, sem explicações, enviar-lhe da boca linda tolo beijo ao partir, sabendo que a queria toda, inteira, pelos séculos? Não amá-la quando, após o sexo eterno e aos pouquinhos, lhe sorria, e adormecia? Tantas outras magias e mistérios, ardis e estratagemas? Os deuses não lhe eram favoráveis, certamente. Maldita estrige, que o instigara com carochinhas para boi dormir... Porém, a lenda implícita o fascinara. Escreveria, fosse dado a tal, conto ou poema, crônica sem adjetivos e advérbios, meramente fática, relato frio de antropólogo.

Diria que, em meio de furioso combate, gritos de morte e de guerra vira, sob uma carreta tombada, aqueles olhos azuis em carinha suja e parara, petrificado. A voz aguda lhe gritara cuidado e o aço adversário o atingira pelas costas transverso, invés de reto. Caíra, espada revirando no ar para longe. O lanfranhudo, horripilante e banhado em sangue alheio, fedendo suor antigo e novo, vísceras e bosta de gado, dera uns passos ao redor para contemplar a caça: gostava de cortar cabeças. Rabo de olho vira a menina sair da encoberta, pegar a pesada espada que lhe escapulira e, silenciosa feito serpente mas rápida feito raio, vir e metê-la, um terço, na coxa do carrasco. Saltara, atracara-se com o molosso, o lançara ao chão e, empunhando a arma alheia, o degolara de um só golpe. A batalha decidira-se em volta, Jormungand morta. Pegara a menina ao colo, ao vir, o dono das tropas, cobrá-la. - “Thrud é minha!” - dissera. A soldadesca enristara lanças, aquilo era afronta punível com a vida.

“- Lutaste bem, mataste muitos e me serviste com honra! É tua!” - A levara às montanhas, seu ermo. Cuidara-lhe as feridas, deixara a cabana limpa, até botara cortinas floridas nas janelas. Entendia da cozinha, dos bichos e das roupas lavadas. Sempre muda e calada, cabisbaixa, interrogada por que não falava ou encarava, dissera-lhe que era uma escrava e elas não deveriam incomodar seu amo. Fora quando depositara-se, definitivamente, naqueles olhos azuis, perdera-se naquele sorriso lindo... E dissera que não era escrava mas, seria sua mulher, quando crescesse. Ela queria voltar à própria aldeia, sua casa. Quisera ver, foram e voltaram; não havia mais uma nem outra. Não chorara. Meio da noite seguinte, viera até seu canto e perguntara: “- Se eu não quiser ser sua mulher, me mata?” Respondera que a trocaria por um cavalo, virara para o lado e dormira. Nunca mais a vira. Deixara florezinhas amarelas no mesão da cozinha... Ainda escreveria a história, quem sabe... um dia... ‘taquepariu...

Adormeceu pesadamente, chapado com os medicamentos. Anestesia e antibióticos, antitetânica e sabe-se lá que poções sintéticas diabólicas... não se fazia mais guerreiros como antigamente. Acordou com o gato se enroscando no travesseiro e ronronando alto, contente. Janelas abertas, casa arrumada, cheiro bom de comida. Na mesa da cozinha bocas-de-leão e, do chuveiro, o vulto no vidro embaçado e o canto enigmático da mulher imprevisível. Era feliz e nem sabia.


(img-art: cvm - crisricci - tela)
(adaptado de Zero Hora: um anjo perdido)



3 de jan de 2011

ACHADOS PERDIDOS

Caio Martins
para Jeanne














(img-art: cvm - bonhan-carter )

Te amo...
Mas, não lutarás minhas batalhas
nem poderás, ensandecida e frágil
conhecer minha luz, minha loucura.

Te amo...
Dizes que não mais, enquanto espalhas
vestígios de teu riso inigualável
no pó de meus caminhos obscuros.

E no teu tecer de leves brilhos, insolúveis
fantasias e tontos dizeres de descrença
curiosa qual criança, vem, e te diria...

... te amo...
menos que posso
mais que deveria.






Categorias, temas e títulos

Seguidores