3 de ago de 2011

LUA

Caio Martins















(img: autorittrato damaride marangelli)

Séria surges
quando não mais te esperam
e vens detrás de olhos verdes
rubra boca vestida de festa.

E mentes, inventas
impudica, descarada
oscilando enfáticos seios
cabelos longos, longos
braços e pernas
noturna praia úmida
ávida de despojos...

Que desperdício de cenário!

Pensar que bastaria um só sorriso
(mesmo que não viesses nua)
e não naufragarias nas armadilhas
de meu amar promíscuo
tão frágil
tão precário...

(em "mulher, imagens e poemas" - 1999 - fundação pró-memória s.c. do sul)

8 comentários:

  1. muito obrigado! este poema é bonito!cumprimentos!

    um abraço

    Damaride

    ResponderExcluir
  2. Fico a pensar, Caio, o que é este amor vagabundo, onde interessa o gozo, a carne.
    Ao mesmo tempo, existe sempre o grande perigo: surge uma paixão.
    Para quem não deseja, é um incômodo muito grande.

    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  3. Belíssimo poema, Caio! O que me encanta aqui é a transição do cenário - descrito no presente - (o real) para o que parece de fato importante, (o que poderia ser) e que tornaria a relação tão mais intensa e verdadeira. A imagem descrita na estrofe

    "Pensar que bastaria um só sorriso
    (mesmo que não viesses nua)
    e não naufragarias nas armadilhas
    de meu amar promíscuo
    tão frágil
    tão precário..."


    revela o quanto é essencial que haja transparência (nudez) no amor...

    Parabéns!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  4. Damarides, eu que agradeço! É uma forma singela de valorizar um texto e divulgar uma grande artista. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Mestre Sader, é dado a poucos viver grandes amores e excepcionais paixões... Estes, todavia, trazem implícita a solidão que reduz amantes a meros brinquedos do destino. Mas, diria Vinícius, em "Como dizia o Poeta",
    ...
    Ah, quem nunca curtiu uma paixão
    nunca vai ter nada, não!
    Não há mal pior do que a descrença
    Mesmo o amor que não compensa
    é melhor que a solidão...


    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Márcia, de fato essência raramente é aparência, ou aparente; há que estar alerta para definir... O sentimento de perda da frase "Pensar que bastaria" é a clave do poema, realmente, só visível aos que sabem ver. Grato por suas palavras e pela clarividência. Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Grato, Jorge! Vindo de você, é uma honra! Abraços.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores