21 de abr de 2011

PECADOS...

Caio Martins.














(img:cvm - mariann - 1999)


Tivesses, talvez
apagadas estrelas, outros
tempos, ritmos, rituais
não farias, quem sabe
arderem em fúria medíocres átomos
e amebas cruas, partes
atávicas deste universo
elementar.

Porém, ao teu corpo consumir
meus olhos, estruturas,
a textura de meu sexo
meu nexo e sentidos,
pulsaste liberta e vadia,
ilha in(can)descente
de magia essencial.

Mulher...

E depois ficaram
só os traços
de tuas unhas e dentes
teu abraço
de longos braços e pernas,
teu cheiro, o jeito
de menina antiga, (e)terna,
o sabor acre
desta paixão desorbitada,
ancestral.

Soubessem deste delírio
“irreverente-devasso-amoral”
medíocres átomos e amebas
cruas empedradas,
suspeitassem
- os puros, santos e anódinos -
desta loucura atemporal
e seríamos fuzilados...

(26/12/1990 - sb. do campo)

6 comentários:

  1. Lindo poema!

    Quando o amor extravasa os sentidos é digno de viver em plenitude!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  2. Tudo lindo demais por aqui. Amei! Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Esta marcou bem a sua vida, amigo Caio!
    Ficou lanhado, mordido e sem a falta dos abraços que ligam as almas.
    Quem já não passou por isto?

    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  4. Só amor assim, desse jeito que nos contou, fica guardado. Amor 'danado de bom', apesar de ...

    ResponderExcluir
  5. O poema diz tudo: a diferença entre os que amam e guardam na memória e os que apenas "nos encontram" e são esquecidos! Abraço

    ResponderExcluir
  6. Caros amigos, grato por sua presença e participação, estímulo essencial para seguir escrevendo - como dizia Ismal Silva - até um dia aprender.
    Abração a todos.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores