27 de set de 2010

TRAVESSURA

Caio Martins
Para Cristina Lima











(img: PB & cores - Isabel Filipe)


Te amei... Como te amei...

Quando te conheci, teu cio
temia as profecias de um amante.
Meu vazio nada temia,
não tinha mais acertos.

A ti, te inventou deus ciumento
zeloso de sua cria.
A mim abortou-me apressada
deusa renegada
bêbada de ironia.

Te vestias de negro, eu
o branco
sujo de tantas cores.
Eras arredia, olhavas
desconfiada um homem sem alvuras.

Te levei a ver a lua...

Na ida ao teu corpo
perdi-me, porém cada poro teu
eu reconheço.
Sabes, hoje,
da minha geografia.

Como te amei... e foi tão pouco!

E no crivo do olhar,
frágeis espelhos findos,
duas crianças se contemplam nuas
assustadas,
rindo.

Pensão da Zulmira
23/06/1987

12 comentários:

  1. Paixão digna de ser falada!
    Começa arrebatadora, e finda como se fossem os amantes crianças assustadas.
    Não falta originalidade, Caio.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Que confissão Caio, vi a data, o lugar, intui a mulher na tua palavra tão fértil.
    muito lindo

    ResponderExcluir
  3. "...Na ida ao teu corpo
    perdi-me, porém cada poro teu
    eu reconheço.
    Sabes, hoje,
    da minha geografia."


    Que imagem bonita, Caio! É como se o encontro de dois corpos fosse o encontro de si próprio, da alma de cada um, e que por mais que o tempo passe não há como esquecer. A vivência nunca deixa de existir em nossas lembranças.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  4. é com orgulho que vejo a minha imagem associada a este belo poema. obrigada.
    parabéns pelo poema.

    bjs
    isabel

    ResponderExcluir
  5. Sinto certa nostalgia ao ler, ouvir, sempre: te amei.

    ResponderExcluir
  6. Jorge, a existência declina-se em pequenos momentos, raros, nos quais nos reinventamos como crianças. Não importam idades, mas, a essência dos sentimentos, perpetuando-se. Deveria ter escrito "deslumbradas", talvez.

    Walkyria, grato por suas palavras. É sempre muito gentil. A intuição feminina, longe de mítica, é uma força da natureza: identifica-se com o primordial, no Tempo.

    Márcia, sem viver "um grande amor", não se vive amor algum. Carinho, cumplicidade, compreensão, aceitação e principalmente afinidade fazem os corpos falarem linguagem simples, mesmo que sofisticada.
    "Há que segurar-lhe a mão,
    fazer carinho, mimar
    e agradar seu coração"

    diz você no belíssimo Ser(afim)... Mesmo que, às vezes, nos surpreendamos, como crianças. Beijos, obrigado pela presença.

    Isabel, é honra imensa receber suas palavras. É impressionante como você revela a alma feminina em suas obras, ao mostrá-la só mistérios. Não há como resistir, há que conformar-se... e aplaudir!

    Vanessa: "...ouvir, sempre: te amei!"... . É um "sempre te amei" com cores, sons, e formas diferentes, despersonalisado, sem amar o amor que a todos marca e perfila. Por isso menciono os .../frágeis espelhos findos/, ao recobrarmos a identidade (ou consciência). Pode ser assustador. Despojados de máscaras, terminamos rindo. Abração, também para Luísa!

    ResponderExcluir
  7. Em 87, eu tb amava assim.
    Obrigada por me lembrar,de forma tão linda.
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Maria Alice, nada muda, essencialmente; apenas às vezes esquecemos. Que bom que gostou!

    Beijos. Uma linda semana para você!

    ResponderExcluir
  9. nostálgico e tão apaixonado! gostei muito.

    ResponderExcluir
  10. Liih*, que bom, vê-la por aqui. Tudo que é raro e precioso deixa suas marcas, porém por momentos felizes.
    Passo em seguida no seu blogue, para deixar uma palavrinha. "Descompassado" fala de momento oposto ao "Travessura".
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Finalmente estou conseguindo me reorganizar... logo estou voltando aos poucos....

    abraço

    e me desculpe pela minha ausência

    abraços!

    ResponderExcluir
  12. Caro Juan, vez por outra a vida vira para o outro lado da meia-noite. Espero que tudo esteja e corra excelentemente bem para você. Sempre vale a pena.

    Abração, força na máquina.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores