17 de ago de 2010

O PICADEIRO MÁGICO

Caio Martins.

Ao Carlos Drummond










(img: cdandrade - edit.bestbolso)

O circo cinza
estremece
cinzas espalha e pó
e nós tocamos um clarinete afônico
menor.

Caem
as cortinas de teu palco
onde foste, impretérito,
palhaço, público, equilibrista
ator.

Lá na porta estrafalária
do céu da poesia
o Vinícius, o Andrade, o Bandeira,
tantos outros,
a te receber.

É então
que choras enfim liberto,
poeta, quando
vestida de canto azul
Elis vem te encantar.

Nós ficamos
olhando teus óculos
o mundo nos teus óculos
num peso, numa
pena danada.

(BsAs –06/07/1988)

9 comentários:

  1. Cenário que nos deixou saudade.
    Mas, como a arte é imortal, ficam os livros, quadros, discos e tantas coisas mais, que Caio traz ao "Poemas".

    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  2. Q texto lindo...gotoso de ler, mas de uma sauddezinha...

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Caio, você criou a magia de trazer, por uns instantes, Drummond e Elis para perto de nós.
    A verdadeira poesia tem destas coisas...este poema vai fundo na alma de tão intenso e rico em emoções.
    Obrigada pela partilha.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  4. "...do céu da poesia"

    Dizer mais o quê?

    abraços e um sorriso...

    ResponderExcluir
  5. Caio,

    enquanto ouvirmos Drummond e Elis, eles continuam tão vivos como sempre. Teu poema os revive e recorda (re-cor-da: recoloca no coração).
    Beijo.
    Aracéli.

    ResponderExcluir
  6. Meus queridos Jorge, Paula, Márcia, Cristina e Aracéli, grato por suas palavras. A vida é curta, o mundo é pequeno, e o que os torna dignos são raros seres extraordinários que meteoricamente nos visitam. Como Carlos, Elis e vocês.

    Meu abraço mais carinhoso.

    ResponderExcluir
  7. MILTON MARTINS22/8/10 19:41

    Caio
    Estive lendo com calma os três último poemas, um melhor que o outro. Voltaste do intermezzo bem inspirado, pelo que se constitui excelente notícia. De outro lado, ve permitiu comparar a Elis com a Gal. Com a Elis é mais harmônica, sô!
    Parabéns, meu amigo, por toda sua criação literária e de incentivo a ela de seus amigos e seguidores.
    Abraço
    Milton Martins.

    ResponderExcluir
  8. Juan,ao menos, tentamos. Disse certa vez que amo tanto as palavras que, talvez, por isso as maltrate tanto...
    Abração, caro Mestre.

    Milton, seu comentário me honra, e muito. Recuperados dentre as papeladas dos anos 60, os últimos poemas foram reeditados e atualizados. E é orgulho meu tê-lo convencido a voltar a escrever. Tem dom e talento raros, não poderia ficar "na moita".
    Elis e Gal têm estilos diferentes; ambas são intuitivas e instintivas, com mais ou menos elaboração harmônica. Grandes intérpretes, sem a menor dúvida.

    Abraços, meu querido amigo. Jamais pare de escrever.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores