29 de jun de 2010

ROMANCE EM CIO MENOR


Caio Martins
Para Lua Celta de Assis.











(img: boris vallejo - erotic fantasy)

Dez horas da noite. Tristes
apitam fábricas em si menor...
Nos enroscamos aflitos
num banco de jardim.

Nosso amar é complicado.

Exigimos estrelas, luas, brisas
mas entre gases, pó, venenos
dá-se alucinado beijar.

Somos intensos, quase rudes
teu seio cabe em minha mão
tuas mãos, qualquer lugar.

Nada sabe esse beijar
deslizar impudico de mãos
da cidade que se infiltra.

Na penumbra do subúrbio
(céu escuro na face desta terra destroçada)
a sinfonia de sons confusos
dá ao nosso enredo
o fundo musical.

Preferiríamos Chopin, Lizst, Debussy, Bach...

Engolimos livros, músicas, poemas
assembléias, discursos, conferências
filmes, jornais, teatro, pinturas
porém os corpos frementes
se esmagam ansiosos
transgredindo pecados mortais
num reles banco de jardim...

Porém não, não te angusties!

Ainda assim não profanamos
o cio simples dos animais.

(cascs - 23/12/68 - sp - 29/06/10)

8 comentários:

  1. que lindo! que lindo!

    olha, eu imagino uma amor assim... falando de tudo, lendo, escrevendo, intenso, debravador da vida, itinerantes de mãos dadas...

    me emploguei... talvez nem tenha entendido nada, tamanha a vontade desse amor complicado

    mas preferiria Mozart

    ResponderExcluir
  2. Verdade! Tantas coisas conhecidas, tanta bagagem acumumulada que esquecemos do sangue que corre em nossas veias.
    Lembrou muito bem, Caio.

    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  3. Walkíria, em 1968 - quando o rascunho do poema foi escrito - não importavam circunstâncias: a ousadia da juventude tudo resolvia, como sempre resolve. Convidasse hoje minha mulher para amassos num banco de jardim na periferia, e certamente me poria no hospício, aos sons de "Balada de un loco", de Piazolla...

    Jorjão, é vero! Mas, que corre, corre...

    ResponderExcluir
  4. há um tempo em que tudo é sinfonia... bons tempos - sem angustias. mas adorei as leituras da wal e do jorge. gosto muito de poemas assim, que nos permitem viajar... abraços, caio.

    ResponderExcluir
  5. "...Exigimos estrelas, luas, brisas
    mas entre gases, pó, venenos
    dá-se alucinado beijar."

    Estes versos são muito bonitos, Caio. É bem por aí que tudo acontece na juventude... O beijar, na estória em questão, era o objetivo e, se viessem as estrelas e tudo o mais sonhado, perfeito. Caso contrário, perfeito também.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  6. Nydia, complicamos sempre tudo e muito, e terminamos - como diz em "Gaiola de Vidro" - vendo
    "peixes [que] flutuam
    no céu azul lá fora
    enquanto eu me afogo
    no aquário hermético
    do meu quarto "
    .
    Seu poema impressionou-me muito, são palavras pungentes e sábias. É uma honra contar com sua presença aqui. Abração, obrigado.

    Márcia, é esse, o sentido. Subúrbio, poluição, barulho, risco, nada importa, aos vinte anos, e o rito é tosco, qualquer bicho faz. Alguns enfeites, talvez, o transformem num ritual. Por isso, trocamos flores, bombons, agradinhos e geramos "magia, porção exata dos desejos" (estou fascinado com seu livros).
    Beijos, grato pela visita.

    ResponderExcluir
  7. Quando terminei de ler os versos o suspiro saiu sem querer, porque os sentimentos que você transmiu foram fortes demais... Tudo verdadeiramente descrito e mostrando que corre mesmo sangue nas veias tuas, minhas e de muita gente...Amei!

    ResponderExcluir
  8. O poema se alça com uma urgência verdadeira do começo ao fim. E traça de forma irretocável a fusão do absoluto com a vida que é sempre relativa. Não há divisão entre ideal e precariedade, e isto abençoa a tudo: desde as estrelas até ao pó cáustico das cidades.
    Muito, muito bonito, Caio.
    Clélia Helmann.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores