18 de mai de 2010

ONÍRICA


Caio Martins






(img: kboing)


Por que? Por que me olhas assim
onírica, de minhas paredes
lépida, ágil, intrépida
enquanto nestas madrugadas frias
traço com pobres palavras
notícias
relatos de amores, guerras
preces, paixões,
luzes e trevas
e as Musas
ingratas me abandonam
desterram
e ficas como dona, e deixo
encantado em teus mistérios
minha linda lagartixa? ...

15 comentários:

  1. Restando uma cama vazia...retratos e talvez um espelho velho!

    belo poema

    abraço

    ResponderExcluir
  2. Ah, e eu imaginando um mulherão...

    ResponderExcluir
  3. Só um poeta pode ver beleza em uma lagartixa..
    um mimo seu poema,
    fizeste uma lagartixa feliz! rs


    Abraço fra-terno
    Ester.~

    ResponderExcluir
  4. Caio, o interessante deste poema é que ele é todo feito de uma única pergunta.
    Um barato, ou melhor, surreal! Lembrei de Buñuel...
    Esta lagartixa deve estar é muito prosa...rss...

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  5. Lagartixas são estranhas mesmo.
    Têm olhar hipnótico. Já viu co o mosquito?
    Vai fácil, o apaixonado...
    Este é o Caio que eu conheço.

    Abraços
    Jorge

    ResponderExcluir
  6. Juan, seu cenário honra o poema. A personagem, todavia, ama modernices... Adora o computador.

    Vanessa, e quem disse que não pode ser? Os caminhos das palavras são muito misteriosos...

    Ester, são extraordinárias, tudo a ver com poesia. Se a bichinha ficou feliz, fico feliz...

    Márcia, esse é o ponto: não caberia outra forma. Mas teria a ver com um Buñuel pelo avesso, preferindo a ternura lírica ao humor corrosivo. Surreal, evidentemente. Com certeza ficou prosa...

    Grande Sader, estás muito bem na nova foto! Lagartixa é entidade mítica... "No xamanismo representam otimismo, adaptabilidade, regeneração, sonhos, renovação e transformação". Coitados dos mosquitos desavisados...

    ResponderExcluir
  7. Minha linda lagartixa...
    Beleza em lagartixa só vê quem saíu dos estereótipos, né, Caio?
    Só falta agora começar a caçar e guardar mosquitos, convidando-a para um lauto jantar.
    "A beleza depende do olho".
    Abraço.
    Clélia Helmann.

    ResponderExcluir
  8. Clélia, as fôrmas são ótimas para quem teme as formas e conteúdos livres, e lagartixa é bichinho extraordinário. Para ela, os humanos devem parecer monstruosos.
    A beleza depende do conceito, mais que do olho. Beijos! Vou caçar mosquitos...

    ResponderExcluir
  9. Porque ela dança e balança e se imóvel, expressa.
    E expressa.
    Como são instigantes as lagartixas!

    ResponderExcluir
  10. Milton Martins22/5/10 07:09

    Parabéns Caio
    Nestas noites, saindo da janela, por trás das cortinas, sempre lá estão elas com aqueles olhinhos atentos caçando insetos. Você já viu o bote?
    Elas são de inspirar, mesmo, numa noite fria em que nada bate. Porque são bem-vindas. Abraço
    Milton Martins

    ResponderExcluir
  11. Bárbara, esse é o verso que faltou... Como é que não pensei nele? Obrigado, beijos!

    Milton, confirma minha certeza que gostaria. Míticas e místicas, parecem frases sendo escritas: avançam, param, dão o bote, sem explicação disparam num rumo determinado, somem, voltam. Abração, Mestre.

    ResponderExcluir
  12. oh!puxa!que lindo! poema genial,poetizar vendo uma largatixa...eu não conseguiria nem pensar!

    ResponderExcluir
  13. Nah, são geniais. Às vezes, madrugada adentro, ficam rondando intrigadas, entram no PC que trabalha aberto. Depois vem a festa dos sabiás, cambacicas, corruíras, pedindo frutas na janela. Também não consigo pensar, só sentir.
    Abraços. Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  14. Então Caio! Que lugar mágico é este onde vives?...sabiás,cambacicas,corruíras...frutas na janela...não dá para pensar,SÓ sentir mesmo!!
    Abraço grande Maria Alice

    ResponderExcluir
  15. Maria Alice pode ser insólito, mas, em plena cidade... É uma festa! Grato pela visita, forte abraço.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores