1 de mai de 2010

CHORINHO


Caio Martins

Para Márcia


Saiu a pé pelo sábado choroso de outono, nem frio nem quente, um cheiro de mofo deprimente pelas ruas. Entrou num boteco esconso, trapiche onde estavam todos os amigos começando a noite que naufragaria, inevitavelmente, num oceano de cerveja, chope e cachaça... Todos os olhares cúmplices e solidários, solitários e comoventes antecederam os abraços, saudações, daí começou a alegria... Ou não fora ali o rei do cavaquinho, soberano nos diálogos com o violão do botequeiro e quaisquer vozes, nas místicas noites de chorinho e chorões?

Mastigou um torresminho devagar, ouvindo e desfrutando da zorra da moçada: qualquer desamado sofredor e desmamado, ali era personalidade, tinha ancoradouro. Estava com mal de amor... Tomou um martelinho de cachaça de a golinhos, entremeados por chope, já pegando o andar da carruagem quando a viu. Não a que se fora, mas uma carinha nova, de "olhar e voz envolvente, que atingia a perfeição”... Meteu-se naquele olhar profundo, no fundo decote e respirou, aliviado: o Barbudo, seu amigo, lhe enviava a cura...

Pegou o cavaco, afinou nos trinques e tocou como nunca d’antes na história deste país. Os olhos da moça não desgrudavam baixando-se, timidamente estratégicos, se focados. A galera extasiada nada via, ele entrara num estágio de magia irresistível e fora de questão. Quando pausou o ritual, foi um “- Aaaaahhhhh!” geral... Queriam mais, muito mais. Foi ao balcão de madeira escura (diziam que Cabral ali tomara sua primeira talagada ao chegar ao País das Maravilhas). Perguntou ao povo quem era a menina discretamente, macio feito um gato ladrão. Nada sabiam. Chamou o garçom e pediu que averiguasse se estava sozinha. Foi o velho astuto e perguntou-lhe se seu marido não queria nada. Estava só, com amigos...

Poderia antes, como Neruda, “escribrir los versos más tristes esta noche”... Todas as noites... Não, não o faria jamais: ela se fora? Que se danasse... Duro, todavia, o insistir da memória do corpo, os restos de energia eternamente entranhados, qualquer porcaria dentro e fora de casa lembrando e lembrando e lembrando... Venderia a casa, o carro... E as roupas, objetos pessoais, os móveis, o computador, os livros, mudaria para outra cidade, outro país, outro planeta... Outras mulheres? Estupidamente, no primeiro encontro pós-traumático, momentos decisivos, saíra-lhe o nome da outra; fora-se o doce enleio pelo ataque de ira, catar de roupas e o indignado bater da porta... Ali ficara na cama enorme pequeno feito um rato, chorando feito besta.

Ah! talvez revoltar-se ajudaria... Mas... como? Se ela nem saberia, senão por terceiros e notícia ruim de noticiário marrom, dos esparramos e desmandos? Entupir-se e naufragar em drogas, qualquer porcaria entorpecente e fulminante? Ir, a mão armada, e mostrar ao universo até onde um desesperado pode ser imbecil? Sair do emprego, cair na orgia, zerar a conta bancária e sair com a roupa do corpo pelas ruas atrás do fim do mundo? Procurar psiquiatra, psicólogo, terreiro, templo, mesquita, igreja? Não! Não resolveria... Fora-se? Foda-se! Ainda tinha o cavaquinho. Sorriu para a moça.

E, assim, conversaram sem pressa, de lá e de cá num chorinho vez por outra, lagriminha boba, escapada de um suspiro fundo, as mãos se tocando, litúrgicas. Horas depois, na porta do muquifo, despediram-se com beijo na face. Estava, como ele, em luto. Perdera também um grande amor.

(img:
fabian perez - study for the proposal)


14 comentários:

  1. Estou com mal de amor.

    Bela frase.

    ResponderExcluir
  2. Os músicos são privilegiados. Os instrumentos falam. E chegam aos ouvidos de Deus.
    Qualquer agonia cessa, quando um instrumento está dando o seu recado nas mãos de quem sabe tocar!
    É assim que vejo seu texto, Caio. Parabéns.

    Jorge

    ResponderExcluir
  3. Mais uma vez o lirismo de Caio aflora, num misto de revolta, indignação e rebeldia. As amarras se soltam e, como que instantaneamente, são recolhidas. O texto é todo caracterizado por um realismo mágico que nos leva a viagens oníricas ao universo particular do autor. É interessante como ele vai do “profano” ao “sagrado”, do passado ao presente (e também ao futuro) como quem nem saiu do lugar – característica de um poeta engajado com a realidade e consciente de suas inquietações. Ao deixar a sensibilidade transbordar, nos leva para o interior de seus questionamentos e buscas diárias e faz com que cada um de nós se sinta protagonista de seus enredos.

    Parabéns pela magia das palavras e obrigada por dividi-las conosco.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  4. Um dos textos mais belos e intensos no sentido que me vi dentro dele, que adentrei nos últimos tempos...


    Abraço

    ResponderExcluir
  5. Bom texto! Gostei deste narrador que brinca com o tempo e funde passado,presente e futuro e o usa a seu favor. Até pude ouvir o cavaquinho cantar. Faz tempo que não via esta boemia em textos.
    Sem contar o lirismo contagiante...

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. MILTON MARTINS2/5/10 18:04

    Eu sempre falo e falo que alguns enlevos quando pegam, ficam marcados (para sempre?) e incomodam. No caso desta bela crônica, o chorinho é um mero consolo. Aliás, o nome: cho-ri-nho. Nem a moça do beijinho resolve nestes casos. É assim. Parabéns. Bonita crônica. Milton martins

    ResponderExcluir
  7. É, Vanessa, bonitinha... O bicho péga se, e como sempre acontece, mal de amor tem a ver com desamor. Daí...

    Jorge, você tem a sensibilidade de quem festeja a vida até nos momentos mais conturbados. Assim se conta a sua história.

    Márcia, que tremenda responsabilidade você me atribui: terei de esforçar-me muito, para chegar a tudo isso. Que os deuses me cedam a sua luz...

    Quem viveu, sabe, Juan. Não por acaso jovens procuram o ambiente cada vez mais, para fugir da esmagadora e bestializante parafernália eletrônica. Bem vindo ao clube...

    Paula, sei não, creio que muitas vezes o tempo é quem brinca conosco... Tentamos, então, interpretá-lo, como os Muvucas da vida.

    Milton, o que incomoda não são os enlevos, mas a sua falta, tenho a impressão... No momento em que nada mais move e comove, não haverá beijo de moça, bonita ou não, que nos salve.

    ResponderExcluir
  8. "Como é bom saber tocar um instrumento" - Ah, Caio, do que não foi vivido, quando não foi perdido... Belíssimo texto. Vou ler de novo. :) beijo.

    ResponderExcluir
  9. Nydia, tocar, ouvir, cantar, dançar... Mais que as excelências do passado, há que resgatar aquelas do futuro. "Eu acredito na rapaziada...", diz Gonzaguinha... Nós, também! Vamos nessa!

    ResponderExcluir
  10. Chorinho - lamento - enlêvo e nada ou ninguém que valha um choro que não seja simplesmente chorinho.
    Acesa estava a vital capacidade dos sentidos , não morreu portanto, no fogo e no fogo , assim ficam músicos se muito chorados.
    Lembro de quando um maestro meu amigo ficou assim largado pelo amor e veio dormir cá em casa.
    Colchonete e uma gata amarela a acariciar-lhe toda a noite não dormida. Pela manhã quando cheguei a sala, ele já estava sem as lágrimas, aceitou café e disse que havia encontrado uma loira.
    _ a Shaia, minha gata amarela.
    Só quero com isso, dizer que realmente, músicos estão sempre acompanhados e de tudo brotam musas.

    ResponderExcluir
  11. Bonito e delicado texto!

    Vc imprimiu um ritmo como a de um cavaquinho, gosto disso! Gosto de ser encantada por palavras e ritmos, e
    é sempre um prazer passar por aqui!

    Bjs,
    Ester

    ResponderExcluir
  12. Bárbara, não seria a Shaia por acaso, mais que Musa uma rara deidade capaz de ressuscitar um Maestro reduzido a trapos? Depois o cafezinho feito na hora faz o resto... Gostei da estória. Dá bela crônica.

    Ester, grato pela visita e por suas palavras. O chorinho tem especial complexidade harmônica até nas dissonâncias. Como tudo que é essencialmente sentimento. Há que saber ouvir.

    ResponderExcluir
  13. Parabens, Caio: gostei da sua crônica. A atmosfera descrita por você me fez lembrar de uma mesa-redonda que burilei com os meus alunos e que intitulei de "Mesa de bar: uma dose de leitura". Estou pensando reeditar o evento e se isso acontecer trabalhei seus textos, sobretudo essa crônica.
    Em tempo, grata pelo comentario ao selo Presença Literária. Ficarei feliz se você o aceitar também. Para tanto, envie-me o seu e-mail. Abraços,
    Graça Graúna

    ResponderExcluir
  14. Anônimo3/7/11 15:57

    Maravilhoso ler este seu Chorinho,
    da gosto, do inicio ao fim,
    uma prosa deliciosa,
    PARABÉNS
    Efigênia Coutinho

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores