6 de abr de 2010

OS PRAZERES DA PÁSCOA

Caio Martins
"Carácoles! Como és pascua nos fuimos a comer conejitos..."

      Assim falou meu querido amigo Juan Morcilla, no ano passado. Saí de um almoço de páscoa, agorinha, digno de trogloditas: coelhinho, carneirinho, leitãozinho,boizinho etc. ... Ninguém queria se meter na cozinha, fomos para a churrascaria.
     Horas depois, chegados à toca, heroicamente decido não dormir e babar no tapete, meu sofá já ocupado.
Cachaça no meio, estranhos pensamentos ocorrem dentre as volutas da fumaça do cigarro, enquanto contemplo, bestificado, as pernas da moça que resolveu ficar, sob desculpa de não dirigir bêbada. 
    Perfeitas... até demais. Dedinhos, pezinhos, joelhinhos, coxas terminando numa nano-calcinha bordô ridícula (pedirei-lhe, quando saia do coma agápico, o lacinho azul pouco menor que a peça para lembrar-me deste dia)...
    Paro aí, o resto enrolado na leve cortina recém lavada que não instalei e que virou lençol, sobrando-lhe, de fora, um lindo focinho ávido. Vibram, meus extraordinários instintos mais primitivos e atávicos! Uma citrullus lanatus ou opulenta representante das cucurbitaceae nas mesmas condições jamais causaria, sob todas ameaças das penas do inferno ou promessas de bênçãos celestiais, tal exaltação...
    Impávido, politicamente incorreto nato, contemplo extasiado e satisfeito, farto e lascivo, essa maravilhosa obra de arte da criatividade divina que aterrissou, lânguida e tépida e intrépida, confortável e feliz, no meu peji de elevadíssimas reflexões não traumáticas... Concluo que esse Deus ressurgido e comemorado - ou o deus, os deuses, fique-se democraticamente à vontade - deve ser, enfaticamente, meu amigo.
    Que me perdoem os fundamentalistas alimentares, abstêmios e castos, sou carnívoro. Luxuriosa e exaustivamente carnívoro. Definitivamente carnívoro...
(img: paola en el sofá - fabián perez )

16 comentários:

  1. Bota carnívoro nisso! Derrubou a churrascaria, o famoso sofá foi ocupado por uma bela, baixou tapete mesmo.
    Na visão privilegiada, conta com detalhes o que capta. Este é oCaio que conheço.

    Abraço
    Jorge

    ResponderExcluir
  2. Caio, muito obrigada pelo seu comentário lá no meu blog.Como sabe o que preciso ouvir, na hora que preciso ouvir??
    Sábio amigo.Sábias palavras!!

    Um grande abraço!!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo6/4/10 20:19

    KKKKKKKKKKKKK!!!!!!
    Também confesso como diz a Vanessa. Baita provocação pra quem acredita em coelhinho da Páscoa e não gosta de mulher nem de birita, churrascada e outras delícias da vida. Tem quem fica doidão com abobrinha e melancia que não são de carne. Fica a pergunta que não quer calar, ganhou o lacinho azul? Ralph.

    ResponderExcluir
  4. Jorge, é sempre uma alegria, sua presença. Nós somos o que somos, compadre. De vez em quando fazemos alguma molecagem, para não perder a prática...

    Sol, só encontramos o que procuramos... Há quem acredite em príncipes encantados, papais-noéis, coelhinhos da páscoa, esquecendo-se da vida como ela realmente é. Se nos iludimos, quem mandou? Creio que a sabedoria está em correr somente os riscos necessários sendo prudentes. Viver de fantasias pode acarretar trombadas feias.

    Vanessa, grato pela solidariedade... Para quem "o divã é na cozinha", tudo a ver. Há duas ou mais leituras da crônica. Essencialmente, a do conhecimento e confiabilidade entre um homem e uma mulher encantados em ser o que são. Sem pudores...

    Ralph, pois, foi! Ótimo que tenha gostado. Pelo visto, consultou dicionários... e quanto ao tal lacinho, ficará a incógnita. Obrigado pela presença, volte sempre.

    ResponderExcluir
  5. Portanto, que venha a carne.
    Sou absolutamente carnal
    carnaval.

    ResponderExcluir
  6. Herculano, não há diferença, nesse território misterioso, entre o cortar da lágrima e o da espada... Alguém, certamente, um dia descobrirá nossos rabiscos nas cavernas e, supreso, dirá que éramos fornicadores carnívoros...

    Este escrivinhador metido a besta, agradecido, manda seu abraço solidário ao reles contador de histórias...

    ResponderExcluir
  7. Depois de tanto bichinho na brasa e tanta caninha, tu ainda se desfez-se em luxúrias frente à moça?
    QUE COISA BOA ESSE NEGÓCIO DE FERVER SANGUE, MOVER A CIRCULAÇÃO NÉ?

    Que me perdoem os naturebas, mas eles se limpam tanto nos intestinos, que de repente se limpam de si mesmos.

    Mas...a pergunta é:
    Por que me desprezastes?

    ResponderExcluir
  8. Bárbara, saudações romanas agapíticas, Bákkhos te dê vida longa... Mas, és mulher, jamais entenderias o sortilégio de contemplar privilegiadamente, feito um ladrão de tocaia, quem te salta em cima, vestida ou nua, sem pedir licença... E receber, quando ela desperta, um sorriso safado e ouvir um "- Vem cá, gatinho!", cúmplice e ronronado...

    Todavia, nada de preconceitos! Se discordantes são felizes, há também que aplaudi-los. No contexto do texto, tudo se considera, nada se despreza. Como na Vida.

    Abração, e grato pela visita, é sempre uma alegria.

    ResponderExcluir
  9. Caio, não vejo aqui uma prosa machista, mas sim um poema que exalta a vida e os prazeres nela existentes. Há que aproveitá-los, com cautela e sabedoria.
    O momento vivido, por mais simples que possa parecer, está internalizado, exteriorizado e, portanto, eternizado.

    Beijo grande

    Márcia

    ResponderExcluir
  10. Márcia, pois não é? Toda a questão diz respeito à aceitação do que somos, não do que julgamos ser, e da decorrente alegria de viver. Divinizamos o que nos e(n)leva e amamos, demonizamos o que nos assusta e odiamos.

    Se "Macho e Fêmea [Deus] os criou” (Gênesis 1.27), quem sou eu para questionar os excelsos desígnios... e resumem-se, assim, dois dos níveis do texto:

    1)"Panzita llena, corazón contento..."
    Viejas brujas sabias;

    2)"E assim o dia que brindas [Poesia]
    será de intensas paixões
    num corpo inteiro a sorrir."
    Márcia Sanchez Luz

    ResponderExcluir
  11. Olá Caio!
    Saudações Literárias...
    Parabéns! Muito bom o espaço.
    Sempre que puder voltarei.
    Abraços de Luz.
    Visite o ILUMINANDO A VIDA.

    ResponderExcluir
  12. Que delícia de Páscoa, e que lugar mágico seus olhos escolheram para a passagem. Descrição acelerada e afoita. Gran finalle.

    Demais!

    E viva ademocracia divina!

    ResponderExcluir
  13. Fernando, saudações libertárias."Iluminar a vida" é trabalho duro, difícil, renitente todavia. Muitas vezes ela prefere frestas e cavernas, tugúrios e cafofos. E, de lá, nos ilumina.
    Em tempo: odeio reis... mas, costumo me embasbacar com princezas e rainhas... Abração, venha sempre.

    Walkiria, nada, mas absolutamente nada, é tão misterioso e indecifrável para os envolvidos como o corpo cósmico da mulher que nos envolve.

    O ritual de Passagem (Exodus:12.1-28) que você menciona em seu blog, nada tem a ver com festins: é libertário, irreverente, subversivo e, nisso, impenitente.

    Como o amor, avesso aos desesperados, para os quais não há "gran finalle". A Apoteóse troca-se por Apocalípses... E a "democracia divina" permite a escolha!
    Beijos, grato pela visita.

    ResponderExcluir
  14. então tá, no solstício da Primavera, rolavam vários Caios e vários lacinhos, rsrsrsrsrsr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mercedes a eclíptica terrestre primaveril, de "quando éramos imortais", estabeleceu as órbitas e tangências das outonais, mais requintadas e preciosas... Lacinhos ternos à parte, rolam Caios findáveis, neste mundão de meu deus! Mas, a personagem não é própria (dizem que até imprópria!), refletindo em última instância os desvarios de certa espécie de animal onívoro sadio. Resumindo, baita provocação! Grato por sua presença. Abração, felizes Páscoas!

      Excluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores