3 de abr de 2010

EL CANTOR


Caio Martins

A Sérgio Mansilla










(img: cvm - sinfonia cósmica)

Cantá, cantor,
seguí, nomás...

El momento de tu agonía
tiene de ser vivido
como el último aliento
de un condenado a muerte.

Rueda en tu voz
en las cuerdas de tu guitarra
el peso violento
de nuestra suerte.

Cantá, nomás, loco,
alucinado como los locos
los músicos, las putas
los poetas, los perros callejeros
los gorriones y los niños...

Cantás, seguí nomás
que todas las soledades amargadas
se te van aderir, apegar,
chuparte la sangre
y después, felices,
bailar una salsa
sobre tu cuerpo agotado...

Cantá, cantor
que el poeta, cual un brujo
las putas, como madres
los perros callejeros de guardianes
los niños de angeles
te resucitarán
para que cantes, cantes
y cantes
hasta explotar
y alumbrar el cielo
con las estrellas de tu voz...

(penã folklórica "los hermanos" - 11/03/1986)

5 comentários:

  1. Milton Martins3/4/10 16:18

    Ao Caio
    Há momentos em que a inspiração extrapola e esbarra nas estrelas. Dizem que os grandes compositores clássicos viviam em convênio com os sons celetes de baixa e alta intensidade. O poeta de "El Cantor", já não é a primeira vez que esbarra nas estrelas. Veja:
    "...hasta explotar
    y alumbrar el cielo
    con las estrellas de tu voz..."
    Bonita poesia. Parabéns. MM

    ResponderExcluir
  2. "Canta até explodir e iluminar o céu com as estrelas de tua voz..."

    Que imagem forte, Caio!
    Quem não há de querer ser homenageado com tamanha intensidade?

    Bravo!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  3. Fortíssimo! Parabéns! Assim aconteceu com Cazuza, Elis, Carmen, tantos e tantos outros...

    ResponderExcluir
  4. Vanessa,"é preciso cantar/ mais que nunca é preciso cantar"... Há que iluminar as estrelas.

    Grande Milton... vindas de você, tais palavras são uma honraria inestimável. Aproveito e lhe dou os parabéns pelo lançamento do "Milton Martins & Artigos", verdadeiro diário de nossa época. Há que segui-lo, e divugá-lo.

    Márcia, Sergito Mansilla foi um dos mais notáveis músicos latinos que conheci. Escrito na cozinha da peña folkórica "Los Hermanos", onde tocávamos, retratou um dia em que quase derrubamos a casa... Só não fizemos chover.

    Ralph, obrigado por sua presença. O fascínio dos grandes músicos, especialmente dos cantores, tem esse trágico contraponto, o de serem exauridos. Ficam em nossas histórias e memórias.

    ResponderExcluir

Na busca da excelência aprende-se mais com os inimigos que com os amigos. Estes festejam todas nossas besteiras e involuímos. Aqueles, criticam até nossos melhores acertos e nos superamos.

Categorias, temas e títulos

Seguidores